As Dez Mais

Sexta-feira, 13 de abril de 2018.

Primeira:

O PDT passa por crise e divisão interna. Em política é assim: quando desmentem uma crise é porque ela realmente existe. Hoje o presidente estadual da sigla Dr. João Leite Schimidt desmentiu a crise.

Segunda:

O problema do PDT é que o partido tem um gênio fora da garrafa que teima em não voltar para a lâmpada. Odilon é reticente em seus discursos não querendo no palanque pessoas comprometidas com a Justiça. Dagoberto Nogueira é a única exceção.

Terceira:

Odilon de Oliveira virou um Boeing sem gasolina. Os investidores sumiram. O partido quer que ele desista de ser governador e saia como candidato ao senado. Assim ficaria fácil o PDT cair nos braços de um novo amor.

Quarta:

Com a iluminação liberada, a ordem do prefeito Marquinhos Trad é andar rápido na instalação, reparação e substituição de luminárias.

Quinta:

Por enquanto na política as coisas estão embaralhadas. O PSDB perdeu Elizeu Dionízio para o PSB. Pedro Chaves saiu do PRB e foi para o PSC. Tereza Cristina trocou o PSB pelo DEM. Uma confusão dos diabos.

Sexta:

O DEM está rachado. Zé Teixeira continua apaixonado pelo PSDB, mas mantém conversa com o MDB. Tereza Cristina é andrezista. Luiz Mandeta é ‘tradista’ e detesta Azambuja. Neste instante o DEM está semelhante a uma salada de frutas com uma “cebola” no meio.

Sétima:

Um passarinho me contou que os marqueteiros mineiros estão orientando o PSDB a cozinhar aliados e adversários políticos em fogo brando. O arrancadão será dado 45 dias antes da reta final. Vão aplicar a mesma tática que aplicaram contra o ex-senador Delcídio.

Oitava:

Na página política do Correio do Estado de hoje aparece uma foto emblemática. O candidato do PDT Odilon de Oliveira fala para 19 pessoas: 4 são seguranças. Dois estão falando ao celular e só 13 parecem prestando atenção naquilo que ele está dizendo.

Nona:

Hoje tem Azambuja em Corumbá. Toda a estrutura do prefeito Marcelo Yunes está a postos para tentar lhe fazer uma grande recepção.

Décima:

Caminhões de soja sul-mato-grossense, que seria despachada pelo porto de Concepción para a China, estão retidos no posto da Receita Federal do Brasil, em Ponta Porã. Normalmente a documentação que demoraria 3 dias para ser liberada está demorando agora 30 dias.

Meus amigos:

Ariel Serra Adjunto da Secretaria de Obras; Emídio Milas; Lidi Ribeiro do gabinete do Dr. Paulo Siufi; Alexandre Bossay; Fernando Soares; Bosco Martins, da TVE; Miguel Palácio, Dra. Jaceguara Passos e Carlos Scardini Neto, aniversariantes do dia. Sérgio Rios do Rancho Paraíso no Jd. Veraneio. Pessoal da Siriema Turismo que já pensa em colocar novos horários no trecho Campo Grande/Corumbá.

Segunda-feira eu volto.

Fuuuuuuuuuuuuuuuui.  

Comentários

Comentários