As Dez Mais

Quarta-feira, 09 de agosto de 2017.

PRIMEIRA:

Circulou nas redes que teria sido o ex-governador e atual deputado federal Zeca do PT, quem teria desencaminhado o empresário da JBS/Friboi do bom caminho. Negativo!. Pau que nasce torto não se endireita.

SEGUNDA:

O ministro do STF, Edson Fachin, reconheceu que “O STJ não precisa de autorização das Assembleias de MS e do Pará para afastar governadores denunciados nas ‘delações’ dos donos da JBS/Friboi.

TERCEIRA:

Indiferente às decisões do ministro Edson Fachin e com o que possa fazer a ministra Laurita Vaz, do STJ, Reinaldo Azambuja continua governando como se não houvesse amanhã e confiando no “taco” e na influência de Marconi Perilo.

QUARTA:

Em Coxim a delegacia da cidade recebeu denúncia de duas candidatas a emprego aliciadas por um falso empresário. Ele pediu que as candidatas mandassem fotos “nuas”.

QUINTA:

Fábio Trad denunciou ontem nas redes sociais que o fechamento da Santa Casa por superlotação é pura politicagem. Acusou Esacheu Nascimento de politicar por conta do seu partido que deverá ser parceiro dos “tucanos” em 2018.

SEXTA:

O mais ilustre morador do Damha I, deputado federal Márcio Monteiro retornou à Secretaria de Fazenda, apostando que as delações dos Irmãos Batista vão dar em nada. Dizem que durante as “férias” Monteiro ouviu amigos, juristas e até cartomantes que lhe garantiram que “Tudo vai terminar bem”.

SÉTIMA:

O deputado estadual Dr. Paulo Siufi (PMDB), deixou governador, líder do governo e deputados da base aliada em “pé de guerra”. Chamou Reinaldo Azambuja (PSDB) de governo “caloteiro”. O plenário pegou fogo com réplicas e tréplicas, mas Siufi escorou firme sua sustentação, deixando os governistas maluquinhos da “silva”.

OITAVA:

A Santa Casa mostrou denunciou que o Governo do Estado tem uma dívida com o hospital de R$ 5 milhões e “não paga”. É baseado nisso que o deputado Siufi acusou o governo de Azambuja de “caloteiro”.

NONA:

Empresário que já vinha desconfiando da lealdade da mulher botou um detetive no ‘pé’ dela e confirmou que “ela o traía com outro político de cidade próxima”. O dramalhão “mexicano” terminou com o marido mandando a infiel embora do luxuoso apartamento ‘só com a roupa do corpo’. É mais um caso de amor complicado que chega ao fim.

DÉCIMA:

Aquidauana respirou aliviada depois que o dono de uma emissora inteligentemente se livrou de parceiro indesejável e metido a brabo. Numa vinda a Campo Grande o empresário foi ao juiz da Vara de Execuções que o indesejável estava na cidade fazendo programa de rádio. O juiz mandou que a “fera” voltasse para a Capital onde está cumprindo pena, sob pena de mandar recolhê-lo ao regime fechado. Raul Freixes é mesmo um mago em efeitos especiais.

Amanhã eu volto.

Fuuuuuuuuuuuuui.

Comentários

Comentários