As Dez Mais

Terça-feira, 21 de Março de 2017.

Primeira:

Faltam 20 dias para que a administração do prefeito Marquinhos Trad (PSD) chegue aos “100 DIAS”. A cidade continua escangalhada, fruto da má administração passada, mas o prefeito luta com todas as suas forças para vencer a batalha. Isso tem sido reconhecido pelos cidadãos, mas é bom que ele saiba que: paciência, tem limites.

Segunda:

Os ‘CEM DIAS’ pode significar o fim da ‘Lua-de-mel’ entre o prefeito e os munícipes, mas uma pesquisa do IPEMS mostrou que Marquinhos ainda mantém 45{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} de bom/ótimo. Não sabem ou não opinaram: 43,6{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df}. Os que “reprovam” a administração somam 10,96{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df}. Os números são bons, mas esperava-se que o prefeito tivesse, pelo menos acima de 50{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} de aprovação.

Terceira:

O problema da administração está na lentidão e descoordenação das operações “tapa-buracos”. A pesquisa IPEMS mostrou que: 42,16{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} aprovam as operações, enquanto que 38,14{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} desaprovam. Já 19,70{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} acham as operações “regulares” merecedora de uma “Nota 5”. O problema é que essas operações começam numa rua e “pulam” pra outra sem terminar. O prefeito precisa rever isso.

Quarta:

O “pé” do Azambuja (PSDB) esfriou. O governo está esfarelando, mas ele não abandona o bando de ‘puxa-sacos’ que está acabando com sua administração. Uma fonte da Petrobrás me garantiu ontem, que dificilmente o ICMS do Gás voltará a jorrar do gasoduto Brasil/Bolívia, pelo excesso de gás nacional do Pré-Sal.

Quinta:

Azambuja está como aquele “azarado” que compra um circo, a mulher barbada se depila, o palhaço morre, o leão foge e o prefeito interdita a rua. Enquanto o governo desce a ladeira, quem está bamburrando em popularidade é o André Puccinelli (PMDB), que ontem foi em Aquidauana e Anastácio e as cidades pararam para vê-lo passar.

Sexta:

Quem já se “arrumou” foi o ex-deputado e ex-prefeito Paulo Duarte (PDT). Perdeu a reeleição em Corumbá, mas virou “Assessor para Assuntos Aleatórios” do Júnior Mochi (PMDB) na Assembléia. Será ele quem irá analisar as famosas “Taxas Cartorárias”. Paulo é organizado, inteligente e esperto. Dizem que ele poderá usar e abusar da tesoura.

Sétima:

A falta de expressão facial de Reinaldo Azambuja (PSDB) é a minha matéria mais comentada até agora. Eu disse, que se ele ganhar na Mega Sena, ou se acontecer uma hecatombe nuclear a expressão dele ‘não muda’. Reinaldo é impávido, impassível, imutável. É o que se chama na psicologia humana: “Uma ‘pedra’ de gelo”. Ninguém sabe se ele está gostando ou chorando. Para ele tudo tem o mesmo valor: de uma piada a uma desgraça. Como dialogar com esse homem?

Oitava:

Ontem o governador de Mato Grosso Pedro Taques foi conhecer uma das figuras mais famosas de seu estado: O ex-governador Pedro Pedrossian, que está com 86 anos de idade. A conversa foi amistosa e girou em torno da vida na sociedade cuiabana. Taques levou a tiracolo o governador Azambuja, que entrou e saiu com a mesma expressão.

Nona:

A eleição de Anastácio está por ser decidida. O processo jaz sobre a mesa da ministra Rosa Weber para a “canetada”. Ela poderá reconhecer ou cassar a eleição do prefeito Nildo Albres e mais dois vereadores. Se “o” fizer, a cidade poderá ter nova eleição. E, se tiver, um candidato imbatível é o Douglas Figueiredo.

Décima:

União Européia, China, Coréia do Sul e Chile fazem exigências sobre a carne brasileira. A Rússia mandou suspender as importações da “nossa” carne. De segundo maior produtor do mundo e maior exportador do produto, da noite para o dia nossa carne que valia ‘ouro’, amanheceu valendo ‘nada’. Vamos ver se sobra agora, pelo menos um ‘bifinho’ na mesa do povo brasileiro.

Amanhã eu volto.

Fuuuuuuuuuuuuuui. 

 

Comentários

Comentários