Sisu: nota de corte parcial mais alta em medicina sobe para 899,8 pontos

Mais uma vez, UFRN ocupa o primeiro posto. Na quarta-feira (25), índice exigido na universidade era 891,29 pontos.

Em medicina, a nota de corte parcial mais alta do Sistema de Seleção Única (Sisu) após a atualização desta quinta-feira (26) continua sendo a da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), no Campus de Caicó. O índice subiu para 899,8 pontos – na quarta-feira (25), era de 891,29 pontos. A comparação leva em conta as vagas de ampla concorrência, ou seja, aquelas que não envolvem cotas sociais ou raciais.

Na mesma carreira, a nota de corte mais baixa dos 85 cursos ofertados é da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), na unidade sede de Mossoró, no Rio Grande do Norte: 762,22 pontos. Na quarta-feira, a instituição de ensino com índice mínimo menor era a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, em Santo Antônio de Jesus, que exigia 752,26 pontos.

Nesta sexta-feira, a 1h da madrugada, o sistema disponível emhttp://sisu.mec.gov.br/ atualizará as notas, pela última vez, com base no desempenho dos inscritos. Se uma universidade disponibiliza 10 vagas, por exemplo, a nota de corte será a de quem tiver o décimo melhor desempenho, entre aqueles que se candidataram.

As notas de corte parciais existem para que os estudantes possam estimar se terão alguma chance em cada curso. Elas não garantem que alguém será aprovado – mesmo que o candidato tenha tido um desempenho superior à última nota de corte, a ser divulgada na sexta-feira à 1h, ele só saberá se foi aprovado quando o resultado for publicado (segunda-feira, dia 30, segundo o Ministério da Educação). Isso ocorre porque as notas provavelmente vão mudar entre 1h do dia 26 até o encerramento das inscrições.

TOP 10 – ampla concorrência

  • UFRN – UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (Caicó, RN) – 899,8
  • UNIPAMPA – FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Uruguiana, RS) – 880,56
  • UNB – UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (Brasília, DF) – 833,92
  • UFPR – UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – (Curitiba, PR) – 828,5
  • UFPE – UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO – (Caruaru, PE) – 828,12
  • UFRJ – UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – (Rio de Janeiro, RJ) – 822,16
  • UFAL – UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS – (Arapiraca, AL) – 820,25
  • UFSC – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA – (Florianópolis, SC) – 818,04
  • UFOP – UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO – (Ouro Preto, MG) – 813,7
  • UFMG – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – (Belo Horizonte, MG) – 810,54

Pesos diferentes

É preciso lembrar que a nota do candidato pode ser diferente em cada curso, já que as universidades distribuem pesos diferentes às áreas de conhecimento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A UFRN, por exemplo, atribui peso 1,5 para Linguagens, 1 para Matemática, 1,5 para Ciências Humanas, 3 para Ciências da Natureza e 1,5 para redação, no curso de medicina.

Na Ufersa, na mesma carreira, a prova de Linguagens vale 2, Matemática, 1, Ciências Humanas, 2, Ciências da Natureza, 3,5, e redação, 1,5. Um candidato que tirou 676,74 na UFRN terá 676,18 na Ufersa. A variação pode ser grande: na Universidade Federal de Santa Catarina, a nota dessa mesma pessoa seria 691,25 pontos.

O Sisu mostra, no momento da inscrição, qual o desempenho do candidato em cada universidade, de acordo com o sistema de pesos que ela segue.

Notas de cotas sociais e raciais mais altas em medicina

Considerando as vagas destinadas a cotas raciais ou sociais, a UFRN também é a que apresenta nota de corte parcial mais alta: 899,8, mesmo índice registrado na ampla concorrência. A categoria que exige esta nota é para candidatos que concluíram o ensino fundamental e cursaram todo o ensino médio em escolas públicas ou privadas das microrregiões de Borborema Potiguar-RN, Seridó Ocidental-RN, Seridó Oriental-RN, Agreste Potiguar-RN, Angicos-RN, Serra de Santana-RN, Vale do Açu-RN, Catolé do Rocha-PB, Curimataú Ocidental-PB, Curimataú Oriental-PB, Patos-PB, Seridó Ocidental Paraibano-PB, Seridó Oriental Paraibano-PB ou Sousa-PB. Estes candidatos recebem 20{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} de bônus na nota do Enem 2016.

A segunda nota mais alta é da Universidade de São Paulo, no campus de Ribeirão Preto: 831,28 pontos. São dez vagas voltadas para pessoas que, independentemente da renda, tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas.

Notas de cotas sociais e raciais mais baixas em medicina

A nota de corte parcial mais baixa na carreira de medicina, dentre as que envolvem cotas, é da Universidade Estadual do Piauí, no campus de Teresina: 705,81 pontos. Os candidatos que podem se inscrever neste tipo de cota são os que se autodeclaram negros e que estudaram em escola pública no ensino fundamental e no ensino médio.

Fonte: G1

Comentários

Comentários