Deputado Paulinho da Força vem a Campo Grande nesta quinta-feira

O parlamentar vai participar de reuniões com lideranças sindicais ligados à Força Sindical MS e com membros do Solidariedade

O deputado o Paulinho da Força, presidente nacional do partido Solidariedade e uma das lideranças de oposição ao Governo na Câmara Federal que está formando um Comitê Permanente de impeachement da presidenta Dilma Rousseff, chega amanhã a Campo Grande para um encontro com membros do partido e reunião com sindicalistas ligados à Força Sindical, central da qual ele é presidente nacional. À noite, ele se reúne com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

A informação é de Idelmar da Mota Lima, presidente regional do Solidariedade e presidente da Força Sindical Regional MS. O encontro com sindicalistas e membros do Solidariedade será às 16 horas no auditório do Hotel Vale Verde, nos altos da Avenida Afonso Pena. Entre os assuntos que serão tratados nesse encontro, será o fortalecimento do partido para as eleições municipais deste ano.

Adauto Cândido de Almeida, secretário geral da Força Sindical MS e membro do Solidariedade informou que dezenas de lideranças sindicais estão confirmadas para esse encontro amanhã à tarde com Paulinho da Força e no dia seguinte, na sexta-feira, com outras lideranças do partido, para tratar do mesmo assunto, ou seja, do fortalecimento da sigla para que tenha um bom desempenho das eleições deste ano.

IMPEACHEMENT – Paulinho da Força é um dos líderes de partidos de oposição na Câmara  que estiveram reunidos, na terça-feira em Brasília para discutir estratégias de mobilização em favor do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, e das ações que pedem a cassação da chapa da petista no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Durante o encontro, que contou com a presença de deputados do DEM, PPS, PSDB, Solidariedade, PMDB, PSB e representantes de várias entidades pró-impeachment, decidiu-se criar o Comitê Permanente de Impeachment. A estratégia é aumentar a pressão e intensificar a luta pelo afastamento da presidente.

Vale destacar que a reunião aconteceu no mesmo dia da prisão do marqueteiro das campanhas do PT, João Santana, no âmbito da 23ª etapa da ‘Operação Lava Jato’. Para os líderes de oposição, o fato reforça a ação que tramita no TSE. Eles consideram que há indícios suficientes para comprovar que ‘dinheiro sujo’ irrigou a campanha petista, e lembram que a prática de caixa 2 já foi denunciada em 2005, durante o escândalo do mensalão do PT. “Não podemos continuar com um governo que perdeu a credibilidade e a legitimidade”, alerta o presidente do Solidariedade, deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força.

Comentários

Comentários