Deputado Dr. Paulo Siufi e presidente do Sisem fazem acordo para regularização de repasse com secretário de Fazenda

O presidente da Comissão Permanente de Saúde da Assembleia Legislativa, deputado estadual Dr. Paulo Siufi, e o presidente do Sisem (Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande MS), Marcos Tabosa, reuniram-se na manhã desta terça-feira, 20, com o secretário de Estado de Fazenda, Márcio Monteiro, para cobrar a regularização do repasse do Fundo Estadual para o Fundo Municipal de Saúde, que garante acréscimo no salário de cada um dos 2,4 mil agentes comunitários de saúde. O deputado Professor Rinaldo acompanhou a reunião.

Durante o encontro, ficou acordado que o incentivo, previsto na Lei Estadual 4.841, de 14 de abril de 2016, será repassado aos agentes de saúde em duas parcelas por mês até sua regularização. “O secretário já havia dito que equacionaria os gastos. Hoje viemos cobrar um retorno e ficamos felizes com essa vitória. Agora, vamos buscar acordo para o repasse dos agentes de combate a endemias e agentes de saúde pública de Campo Grande, que também têm direito ao repasse”, informou o deputado.

Dr. Paulo Siufi lembrou que apresentou na Assembleia Legislativa projeto de lei que dispõe sobre a jornada de trabalho dos agentes de controle de vetores, agentes de promoção em saúde, agentes de saúde, agentes de saúde comunitário (de família) e visitador sanitário. A proposta estabelece jornada semanal de 40 horas, distribuídas em seis horas diárias de atividades de campo e duas horas para atividades complementares, como elaboração de relatórios.

O deputado Dr. Paulo Siufi sempre esteve à disposição da nossa categoria, desde quando era vereador e agora como deputado estadual”, apontou o presidente do Sisem. Para Marcos Tabosa, o encontro endossou o compromisso junto aos agentes comunitários de saúde. “A articulação do Sisem e do deputado Dr. Paulo Siufi junto ao secretário Marcio Monteiro e ao líder do Governo na Assembleia chegou à garantia de um compromisso que até hoje não tínhamos conseguido”, ponderou Tabosa.

Comentários

Comentários