Com 260 espécies de animais, Aquário do Pantanal poderá ser local de pesquisa para Alemanha

Foto: Edemir Rodrigues

Para ampliar as relações bilaterais entre Mato Grosso do Sul e Alemanha, o cônsul Axel Zeidler, pela primeira vez no Estado, se reuniu com o governador Reinaldo Azambuja e o vice-governador e titular da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), Murilo Zauith, nesta semana. O objetivo da visita foi conhecer e traçar as possibilidades de cooperação entre Estado e o país europeu. O Aquário do Pantanal, que deve ser entregue à população no fim de 2020 e terá mais de 260 espécies de animais, esteve entre as pautas como uma oportunidade de pesquisa para as universidades alemãs.

Durante o encontro, o vice-governador  propôs um convênio com as universidades da Alemanha, disponibilizando o Centro de Pesquisas e Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, o Aquário do Pantanal, para estudo das espécies que irão compor os 32 tanques do Aquario.

“O Aquário será um centro de estudos e pesquisas, um empreendimento turis-científico da biodiversidade pantaneira. Propusemos um convênio com as universidades alemãs para que eles possam pesquisar as diversas espécies que teremos aqui, inclusive os exemplares inéditos que já registramos”, explicou o vice-governador.

Instalado no Parque das Nações Indígenas, principal cartão postal de Campo Grande, o Centro de Pesquisa contará com 260 espécies de animais, entre peixes, invertebrados, répteis e mamíferos. Ao menos 12 mil animais da ictiofauna pantaneira vão habitar os 32 tanques (24 internos e oito externos) da estrutura. Serão 5,4 milhões de litros de água e um sistema de suporte à vida com condições reais do habitat.

Um laboratório, chamado de “Projeto Quarentena”, foi montado há quatro anos para a manutenção de mais de 180 espécies de peixes . Lá, 55 espécies já se reproduziram, sendo nove registros inéditos no mundo e outros três documentados pela primeira vez no Brasil.

O cônsul alemão disse estar genuinamente disposto a criar ampla relação com Mato Grosso do Sul, já que o Estado possui muitas potencialidades. “Queremos ampliar a relação com Mato Grosso do Sul e não ficar apenas em São Paulo, onde existem muitas indústrias. Mas aqui no Estado (MS) tem o turismo, o meio ambiente, o setor agropecuário, além das empresas alemãs que já vendem aqui nossos produtos. Já importamos carne de Mato Grosso do Sul, mas queremos ampliar as relações bilaterais e por isso queremos saber quais as possibilidades de cooperação no futuro”.

Além do Aquário, fizeram parte da pauta do encontro a Rota Bioceânica, Pantanal, Aquário do Pantanal e Direitos Humanos. Também participaram do encontro o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck;  a secretária de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), Elisa Cleia Nobre; o cônsul-geral adjunto, Jens Gust; e o cônsul honorário da república federal da Alemanha em Campo Grande, Reinhard Knoch;

Comentários

Comentários