Cientista brasileiro cria ‘minicérebro’ para testar droga contra síndrome

Um grupo de cientistas liderados pelo brasileiro Alysson Muotri, da Universidade da Califórnia em San Diego, usou “minicérebros” criados em laboratório para simular uma doença neurológica e testar drogas para tentar curá-la.

As estruturas usadas na pesquisa foram criadas a partir de células da pele de pacientes da chamada “síndrome do duplo MECP2”, que causa problemas cognitivos e motores graves. Crianças com essa doença rara – que só teve sua causa genética identificada há cerca de uma década – dificilmente chegam a mais de dez anos de idade. Ainda não há tratamento para a síndrome, mas o grupo de Muotri encontrou uma substância que deve passar por um teste clínico em breve.

A droga foi encontrada após o cientista usar minicérebros doentes para testá-la. Para criar essas estruturas, a equipe do biólogo usou células da pele de pacientes como ponto de partida para criar neurônios em laboratório. Dessa forma, as estruturas criadas poderiam imitar os problemas de desenvolvimento nervoso que ocorrem nos portadores da doença.

Comentários

Comentários