Chamada Pública para suprimento de gás natural é prorrogada

Foto: Arquivo

Lançado em agosto de 2018, o Chamamento Público para Proposta de Suprimento de Gás Natural  teve seu prazo para entrega de propostas prorrogado para o dia 29 de março de 2019. A Chamada vem sendo realizada por cinco distribuidoras de gás natural que atuam nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País: Companhia Paranaense de Gás (Compagás), Gás Brasiliano Distribuidora, Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás), Companhia de Gás de Santa Catarina (SCGÁS) e pela Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul (MSGÁS).

Segundo o edital de prorrogação, o aumento do prazo foi motivado por diversos fatores, entre eles pedidos de esclarecimento feitos por potenciais proponentes e solicitações de adiamento do prazo. Também foi considerado o objetivo da Chamada Pública, que é proporcionar o maior número possível de ofertantes, a fim de estimular o mercado para o suprimento de gás natural.

Os editais estão disponíveis nos sites da Companhias e mesmo com a prorrogação do prazo, o encerramento do processo acontece ainda em 2019.

A Chamada Pública

 A fim de encontrar condições de mercado mais competitivas e diversificar as fontes supridoras, as concessionárias de distribuição de gás natural canalizado das regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste promovem desde agosto de 2018 uma ação coordenada para os recebimentos de propostas para aquisição de gás natural.

Com um volume total de aquisição de cerca de 10 milhões de m3/dia, a iniciativa tem como objetivo encontrar novos agentes interessados na oferta do gás natural que atendam as expectativas do mercado.

O início do suprimento é previsto para o ano de 2020 e a iniciativa foi tomada após a elaboração de estudos específicos que indicaram a oportunidade de realizar uma formatação conjunta de um edital e termo de referência. Atualmente, juntas, as cinco distribuidoras participantes atendem mais de 134 mil consumidores e possuem mais de 4,4 mil quilômetros de rede, em 161 municípios do País.

Créditos: Raquel Pereira, Secretaria de Infraestrutura (Seinfra)

Comentários

Comentários