Câmara pode pôr fim a taxa mínima no serviço de água e esgoto

Um projeto de lei sugere o fim da taxa mínima de água e esgoto em Campo Grande. Medida limitaria cobrança ao consumo real no imóvel. Concessionária avalia impacto sobre investimentos.

O autor da proposta, o vereador Ayton Araújo (PT), ressaltou não fazer sentido cobrar taxa mínima para consumo igual ou inferior a 10 m³, quando hidrômetros aferem quanto do serviço foi realmente utilizado pelo consumidor.

“É incentivo ao desperdício porque o consumidor, se consumir menos, será penalizado pagando o mínimo”, pontuou o vereador petista, que defende ainda fim da tarifa progressiva.

Vereador e empresa, desde a semana passada, tem se reunido para adequar a proposta.

Houve acordo para que a concessionária apresente estudo de impacto financeiro relativo a medida, enquanto Ayrton Araújo assegurou que segue com o projeto em tramitação. Ele, ainda, não descartou realização de audiência pública sobre o tema.

Comentários

Comentários