As ‘10’ Mais

Quinta-feira, 10 de Março de 2016.

1ª)

Novato prolixo, falastrão e demagogo tem sido alvo de generosas observações de seus pares. Deleita-se em elogios desmedidos e desnecessários antes de ir ao centro das questões, e por isso ganhou entre seus 28 colegas o apelido de Rolando Lero, em referência àquele personagem da Escolinha do professor Raimundo.

2ª)

Mas num parlamento não existe apenas isso. Há outros que lutam com suas limitações e que procuram ajuda de profissionais para superá-las. Dizem que uma Fonoaudióloga está sendo visitada para corrigir em alguns a ‘ausência do ‘éle’. Na primeira visita ele soltou de uma só vez: Grobo, Brusa, Prefessora, Profeitura, Frogorífico, deixando a profissional boquiaberta e ciente de que seu quadro é gravíssimo e necessário da ajuda profissional.

3ª)

Falar em público é mesmo difícil e inibidor, ainda mais se for de improviso. Tem políticos que não conseguem coordenar as idéias, começam falando uma coisa e caminham para outra que nada tem a ver com o assunto. Como dizia um grande filósofo: “O improviso te leva aonde você nem imagina”.

4ª)

 A técnica do juiz Sérgio Moro em extrair confissões de prisioneiros, as chamadas ‘delações premiadas’, pode estar dando seus derradeiros suspiros. Organismos internacionais estão de olho no ‘prende, segura que ele abre o bico’ e isso está sendo encarado como ‘tortura psicológica’ e pode criar denúncias contra o Brasil no Exterior e até colocar toda essa movimentação e confissões por água abaixo. Embora a população feche os olhos para os ‘fins’, o negócio é que ‘os meios’ não são assim tão legais como pensa a maioria.

5ª)

A FETEMS, através do seu presidente o Roberto Botarelli,  resolveu partir decididamente pra cima do ‘reconduzido’ chamando-o publicamente de mentiroso nas rádios, jornais, televisões, redes sociais e até panfletos. É que Bernal divulgou que a “sua” administração paga piso salarial de R$ 5.092 para o professorado, quando na verdade paga R$ 1.697,37 por 20 horas/aulas. Pela inverdade o cacete comeu, o povo aplaudiu e ‘Ele’ sentiu no lombo. Resultado da provocação: Campo Grande vai parar dias 15, 16 e 17 e ‘olha’ se a greve não emendar de vez.

6ª)

De Brasília a amiga deputada federal Tereza Cristina me disse ontem que “O PSB tem como pré-candidato preferencial à Prefeitura de Campo Grande o médico Ricardo Ayache, mas se ele declinar do convite o partido tem outras boas opções”. Tereza colocou seu nome à disposição e disse que, numa eventualidade, poderá ser candidata atendendo ao chamado e como boa soldada do partido.

7ª)

A Câmara tem registrado nestes últimos dias a ausência do presidente João Rocha (PSDB). Para nossos seguidores vai o esclarecimento. João acompanha a esposa que se encontra adoentada e recebendo as atenções médicas. Como marido carinhoso e prestativo ele está ao lado da companheira torcendo – como todos nós – pelo seu breve restabelecimento. A presença de João no plenário da Câmara acentua o equilíbrio necessário para o bom andamento dos trabalhos.

8ª)

O senador Delcídio do Amaral se recolheu ao silêncio sepulcral. Orientado pelo seu advogado de defesa não vai mais falar com ninguém da imprensa por pelo menos 20 dias, me disse ontem o colega Kadu, da assessoria do senador. Certamente Delcídio esperar para analisar os rumos do seu futuro político.

9ª)

 Pessoal do bairro Cidade de Deus esperando que o prefeito vá às novas 5 favelas inaugurá-las, com direito ao coral de comissionados, banda da Guarda Municipal e drone para filmar o momento. O ‘enlonamento’ da miséria, que entrou para a história administrativa desta Capital, é um dos episódios mais lamentáveis da nossa emancipação político-administrativa. Pior é o chamado ‘kit favela’ composto por: um maço de pregos, uma lona preta que dura no máximo 15 dias e martelos emprestados que são recolhidos às 17 horas, alguns até de ‘orelha’ quebrada.

10ª)

O destaque do dia vai para Pedro Corrêa, presidente nacional do partido progressista que está no ‘xilindró’ dos corruptos pegos pela ‘Lava Jato’. Sem agüentar o cárcere, ele teria pedido sua ‘delação premiada’ e dizem que nessa lista estão 18 envolvidos em nosso Estado que receberam dinheiro sujo para campanha. O PP se chafurdou na grana fácil do petrolão, desviando R$ 358 milhões. Do JBS Alcides Bernal, que é vice-presidente nacional do partido, recebeu 400 mil para campanha. Podem esperar que por aí vem ‘trolha’. E das grossonas.

Amanhã eu volto.

Fuuuuuuuuuuuuuuui.

Comentários

Comentários