Aprovação do fim da participação obrigatória da Petrobras em projetos do pré-sal é uma grande vitória, afirma Marun

O deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) comemorou nesta semana a importância da aprovação do Projeto de Lei que põe fim a obrigatoriedade da Petrobras na exploração de petróleo em projetos do pré-sal.

O texto entrou em pauta de votação na noite de quarta-feira (05) no plenário da Câmara Federal e por 292 votos a 101 e apenas uma abstenção, o texto-base do Projeto de Lei 4567/16, foi aprovado.

De autoria do à época senador e hoje ministro das Relações Exteriores, José Serra, o projeto de lei garante a petrolífera o direito de escolher se participa ou não das atividades de exploração nos campos de pré-sal.

“Sai à obrigatoriedade e fica mantido o direito de preferência da Petrobras. Onde a Petrobras não se interessar, poderemos licitar para outras empresas nacionais e estrangeiras. E mesmo se as empresas estrangeiras forem vencedoras as vantagens são muitas: bilhões pagos na licitação. ‘Em Libras’ foram 15 milhões de reais, 42{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} do petróleo coletado vem para o governo brasileiro, 15{d124abb9778216420301f7a7fdee54f2d809ca471a8d69088da1a3e9d609e3df} de royalties, imposto de renda, investimentos bilionários e geração de empregos. Na verdade, começamos a salvar a Petrobras”, ressalta Marun.

“O Brasil não pode esperar que uma empresa como a Petrobras se recupere financeiramente para poder investir naquilo que ela entende não ser adequado”, finaliza.

Comentários

Comentários