Apoio do Governo do Estado garante Carnaval de rua em Campo Grande

FOTO: Chico Ribeiro / Governo MS

O suporte do Governo do Estado garantiu a realização do carnaval de rua de Campo Grande. No domingo (11.2), milhares de pessoas foram à Esplanada Ferroviária conferir o desfile dos blocos, formados por moradores de diversos bairros da Capital. Com segurança reforçada, a festa resgatou a tradição das marchinhas carnavalescas e atraiu diversas famílias.

“O apoio do Governo foi muito importante, pois esta é uma festa que integra toda a Campo Grande. Esses blocos representam os bairros da cidade e ajudam a resgatar o carnaval de rua, as marchinhas”, afirmou o presidente da Associação dos Blocos e Bandas, Cordões e Corsos Carnavalescos e Cultura de Campo Grande (Ablanc), Walfrido de Almeida, conhecido como Dudu.

Secretário de Estado de Cultura e Cidadania, Athayde Nery enfatiza que todas as modalidades de carnaval tiveram apoio do Governo do Estado: tanto as escolas de samba – cujos desfiles iniciam nesta segunda-feira (12.2)- quanto os blocos sob supervisão da Ablanc; além dos cordões tradicionais, como o da Valu, Capivara Blasé, dentre outros.

O apoio foi dado através de apoio financeiro e estrutura, como os equipamentos de som utilizados. Além da Capital, foram beneficiados pelo menos 27 municípios em todo o Estado. “Apoiar o carnaval é investir nas pessoas, em sua cultura, lazer, qualidade de vida, sem mencionar a movimentação financeira que as festas proporcionam aos municípios”, destacou Athayde.

Foram 20 blocos participantes, sendo treze deles com bateria. Nos demais, somente instrumentos de sopro. Cada bloco representava um bairro ou região da Capital. Para os três primeiros colocados foram oferecidos troféus e premiação em dinheiro. Entre os critérios, criatividade, melhor estandarte e caracterização.

Presidente do Bloco Tô Chegando, Tim da Villa, de 50 anos, reuniu familiares e amigos da região do Santa Emília para participar da festa e seu grupo abriu o desfile. “É animação, amizade, reunir os amigos para curtir o carnaval”, afirmou. “Esse carnaval de rua é tradição”, completou.

No domingo, na Esplanada Ferroviária, 70 policiais militares e 10 viaturas garantiam a segurança, além de uma dúzia de guardas do município. “Estamos fazendo um reforço conjunto, trabalhando em parceria com a Guarda Municipal e a Agência Estadual de Transporte e Trânsito (Agetran)”, explicou o tenente-coronel Paulo Ribeiro dos Santos.

O Estado também colocou à disposição ampla estrutura de segurança, que contou com aumento de efetivos nos plantões das delegacias de Polícia Civil, e efetivo da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Defesa Civil nos locais de eventos.

Foliões

A segurança reforçada no desfile dos blocos deixou tranquilas as famílias que foram na tarde de domingo à Esplanada Ferroviária. A administradora Renata Ávila, de 29 anos, e o marido, levaram a cachorra Amora, de 2 anos, para aproveitar a festa. “Ela é mansinha, levamos a todo lugar onde deixam entrar”, explicou a dona. Fantasiada de fada, a pet atraía olhares por onde passava.

Vindos do Rio de Janeiro há 9 meses, o casal Vitor Athayde, de 38 anos, militar, e a dona de casa Renata Melo, de 39 anos, foi conferir o carnaval de rua na Capital e disse ter gostado do que encontrou. “Culturamente é bem importante que a cidade tenha, na medida do possível, apoio do poder público para essa festa”, opinou Vitor.

Aos 7 anos, a energia de Maria Clara Rodrigues era contagiante. Fantasiada de bailarina, ela passou a maior parte do tempo dançando na Avenida Calógeras. “Venho desde pequena, a gente sempre pula nesse bloco”, contou. “O carnaval está no sangue dela, é corumbaense”, brinca a avó Marilene Medeiros, de 64 anos, e que há vinte mora em Campo Grande.

CRÉDITO: Danúbia Burema – Subsecretaria de Comunicação (Subcom)

Comentários

Comentários