Zymunt Bauman o “pai” da Modernidade Líquida nos deixa aos 91 anos

Zymunt Bauman o emérito sociólogo polonês nasceu no dia 19 de novembro de 1925, em Poznán. Ele principiou sua trajetória acadêmica na Universidade de Varsóvia, mas logo foi obrigado a deixar a academia, em 1968, ao mesmo tempo em que sua obra era proibida neste país.

A sua literatura em boa parte já foi traduzida no Brasil. Seus livros são povoados de ideias e conexões sociais e potenciais na sociedade contemporânea, nesta era comumente conhecida como pós-modernidade. Diante dos estudos sociológicos lhe permitiram refletir sobre a angústia que reina nos sentimentos humanos, emoção despertada pela pressa de encontrar o parceiro perfeito, sempre mantido como meta ideal, nunca como realidade concreta.

Porém aos 91 anos, em Leeds, na Inglaterra, o filósofo e sociólogo contemporâneo polonês Zygmunt Bauman, nos deixou assim informou a mídia polonesa no dia (9). Causa da morte não divulgada. Informações da Agência ANSA.

Morreu aos 91 anos, em Leeds, na Inglaterra, o filósofo e sociólogo contemporâneo polonês Zygmunt Bauman, informou a mídia polonesa nesta segunda-feira (9). A causa da morte não foi divulgada. As informações são da Agência ANSA.

Desenvolveu sua principal tese a “Modernidade Líquida” modernidade líquida é a época atual em que vivemos. É o conjunto de relações e instituições, além de sua lógica de operações, que se impõe e que dão base para a contemporaneidade. É uma época de liquidez, de fluidez, de volatilidade, de incerteza e insegurança. É nesta época que toda a fixidez e todos os referenciais morais da época anterior, denominada pelo autor como modernidade sólida, são retiradas de palco para dar espaço à lógica do agora, do consumo, do gozo e da artificialidade.

Mesmo com idade avançada aos 91 anos, Bauman não cessava de trabalhar e redigir seus textos que grandiosamente tornaram-se livros e contribuíram para um crescimento intelectual da sociedade mundial.

Casado com Janine Lewinson-Bauman desde a época do pós-guerra, o filósofo deixa três filhas.

Zygmunt Bauman Sociólogo polonês
Zygmunt Bauman Sociólogo polonês

 

Comentários

Comentários