Promotoria pede dois anos de prisão e multa de R$ 36 milhões a Neymar

O atacante brasileiro Neymar irá a julgamento pela suposta fraude em sua transferência para o Barcelona. No mesmo processo, serão julgados o atual presidente do clube (Josep María Bartomeu), seu antecessor (Sandro Rosell) e, como pessoas jurídicas, tanto o Santos como o próprio Barça por ocultação de valores na negociação, de acordo com o parecer divulgado pela Audiência Nacional da Espanha nesta quinta-feira (04).

José De La Mata, juiz do tribunal especializado em casos complexos, impôs uma fiança conjunta e solidária de 3,4 milhões de euros (cerca de 12 milhões de reais) em conceito de responsabilidade pecuniária a Bartomeu, Rosell, Barcelona e Santos, além do ex-presidente santista Odílio Rodrigues. O julgamento é fruto de queixa apresentada pelo grupo DIS, que detinha 40% dos direitos federativos do jogador.

A Promotoria Espanhola pedirá dois anos de detenção e 10 milhões de euros (35 milhões de reais) de multa para Neymar e cinco anos de prisão para Sandro Rosell por crimes de corrupção e desvio de dinheiro do grupo DIS na contratação do brasileiro.

José Perals, promotor encarregado do caso  também cobra 8,4 milhões de euros (29 milhões de reais) de multa para o Barcelona e 7 milhões de euros do Santos (24,5 milhões de reais).

Perals ainda quer a prisão por dois anos do pai de Neymar e por um ano da mãe, ambos pelo delito de corrupção empresarial, além de multa de 1,4 milhão de euros (4,9 milhões de reais) para a empresa N&N, responsável por costurar a negociação com o Barça.

 

Comentários

Comentários