Prof. JAIME TEIXEIRA – Novo presidente da FETEMS

PISO, CARREIRA E JORNADA:

“A LUTA CONTINUA!”

JAIME TEIXEIRA (57): Natural de Tupã- SP, Professor. No movimento sindical da Educação há mais de 35 anos. Experiente e determinado, exerce firme liderança no setor. Participou ativamente da criação do FUNDEB, do Plano de Cargos e Carreira, Plano Nacional de Educação(PNE), Lei do Piso por 20horas e outras conquistas que melhoraram a qualidade do ensino público e a vida dos trabalhadores. De currículo sindical extenso, já foi representante de base nas escolas; ocupou a vice-presidência da ACP dirigindo a entidade por dois mandatos. Na FETEMS foi: vice-regional, presidente por dois mandatos. É secretário de finanças da Federação. Eleito por chapa única para um mandato com forte atuação na busca da valorização profissional e do resgate do glamour da profissão. Entrevista concedida ao programa ‘Boca do Povo’ da DIFUSORA-FM 101.9 na sexta-feira.

*Por B. de Paula Filho

Boca: Presidir a FETEMS é uma grande responsabilidade. Qual a sua proposta de trabalho?
Prof. JAIME – “A FETEMS se confunde com a história deste Estado que vai fazer 40 anos. Existimos a 38 anos. Nascemos praticamente juntos. Além de defender os interesses trabalhistas somos hoje uma referência na discussão da democracia, cidadania e referência. Além de cobrar nossos direitos, nossa grande luta continua pela qualidade do ensino na escola pública, inclusão da escola pública e a defesa das minorias como por exemplo, populações indígenas e o MST. Somos uma companheira na defesa da inclusão social e mais igualdade no nosso país”.

Boca: Como conseguir melhor qualidade de ensino se União, estados e municípios sempre dizem estar em dificuldades?
Prof. JAIME – “Entendemos que a educação – municipais e estaduais – estão definidas pela LDB de 1996. Por muito tempo os municípios não cumpriram a parte deles. Eles têm a obrigação de investir na educação infantil, fundamental e na educação básica. Foi uma luta muito grande em nível nacional, tanto da FETEMS como de outros sindicados. Em 2006 conseguimos emplacar o que chamamos por FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação). Trata-se de um dinheiro carimbado para a educação infantil. De lá para cá aumentou muito o desenvolvimento na educação infantil, mas ainda há um déficit de 50% nessa educação. Os prefeitos ainda tem 50% da sua população – de 0 a 4 anos – sem vagas nas creches ou na pré-escola”.

Boca: 2020 com metade das escolas de ensino fundamental em tempo integral: realidade ou sonho?
Prof. JAIME –”Conseguimos mais um avanço em 2010 e que neste momento está meio parado. O governo federal tem impacto nisso. Em 2010 aprovamos o nosso Plano Nacional da Educação com metas e objetivos até 2024. Dentro dele existem metas para cada segmento. Os segmentos da educação básica, educação infantil, fundamental, são fundamentais para que a escola pública se desenvolva com qualidade. Queremos chegar em 2020, com pelo menos metades das escolas de ensinos fundamentais em tempo integral”.

Boca: Na Europa não existe mais ensino fundamental no periodo noturno…
Prof. JAIME – “Correto. A criança não tem que entrar no mercado de trabalho na sua adolescência. Precisa ser preparada intelectualmente. Primeiro deve estudar. Nos países de ‘primeiro mundo’ é assim: primeiro estuda, depois vai disputar o mercado de trabalho ou definir uma profissão. Aqui no Brasil estamos caminhamos para uma escola integral. Custará mais efetivamente, porém a qualidade da educação irá melhorar. A escola pública é para todos, e a família, como o estado, tem o dever de acompanhar o aluno no seu desenvolvimento acadêmico. Diante dos afazeres diários do pai e da mãe, a criança acaba ficando sozinha. A escola de Tempo Integral vem contribuir para que a criança ou o adolescente obtenha seu desenvolvimento completo e possa ‘lutar’ com condições intelectuais por uma carreira no mercado de trabalho”.

Boca: Os salários dos professores está de acordo com aquilo que a classe necessita?
Prof. JAIME – “Sempre existirá a luta pelos trabalhadores da educação, contudo, avançamos bastante nos últimos dias. Por exemplo vou citar novamente o PNE (Plano Nacional da Educação): A meta ‘17’ dele nos diz o seguinte: que nos próximos 10 anos os professores precisam ser valorizados tanto na estrutura da atividade como no seu salário. Qual é o objetivo da meta 17?… Que os professores de ‘nível superior’ do Brasil tenham salários equivalentes aos demais trabalhadores de nível superior do serviço público. Se compararmos ao salário de um advogado ou um engenheiro, em média é bem maior que o salário de um professor, portanto, está dentro do Plano Nacional a busca da igualdade salarial. Hoje em nosso Estado, depois de vários governos, temos o melhor piso salarial nacional, mas ainda estamos abaixo da média em relação aos outros servidores que possuem nível superior. Precisamos ganhar salários melhores;  temos que melhorar a representatividade e o glamour de ser professor no Brasil. Há um desinteresse pela formação acadêmica de Magistério. Esse cenário precisa melhorar. O professor precisa voltar a conquistar o glamour perdido na profissão. Esta é uma luta do sindicato”.

Boca: Quais as suas metas na presidência da FETEMS?
Prof. JAIME – “Várias. A atualmente existe a Política Nacional do Governo Federal de Estado mínimo, contudo, o objetivo do governo golpista de Temer é defender esse Estado Mínimo. Ele reduziu em 30% a aplicação do ensino no Brasil. A nossa grande luta neste mandado será manutenção das nossas conquistas dos últimos 12 anos. Para isso é uma grande luta pela ‘Lei da Manutenção do Piso Nacional’; pelo cumprimento integral das 20 metas do Plano Nacional; pela manutenção das escolas de inclusão. Nós no sindicado lutamos por um tripé: piso, carreira e jornada”.

Boca: Algo mais:
Prof. JAIME – “Queremos em nosso nome e dos nossos associados parabenizá-los por este belíssimo instrumento de informação que é uma emissora de FM. A Difusora-FM 101.9 é uma rádio maravilhosa e com uma programação agradabilíssima. Nós, da FETEMS, nos sentimos honrados pela parceria, e queremos participar com seus ouvintes, que também são os nossos associados, daquilo que estaremos fazendo ou pretenderemos fazer durante nosso mandato. Muito obrigado pela acolhida, e que tenham todos um excelente final de semana”.
NOTA:
Na sexta-feira (07) o Prof. Jaime Teixeira teve um encontro com o Governador e Secretários estaduais para discutir sobre piso salarial, mas não houve proposta oficial, ficando nova rodada marcada para o próximo dia 12 (quarta-feira).

Comentários

Comentários