AS ’10’ MAIS

Quinta-feira, 08 de Outubro de 2015.

1ª)

A manhã começou com um ‘furo’ noticioso em meu programa na DIFUSORA: “O vereador Mário Cesar vai renunciar a presidência da Câmara, abrindo caminho para a eleição de um novo presidente”. Com a renúncia, Mário Cesar reassume como vereador e destrava o jogo político. “Isso deverá acontecer no mais tardar até amanhã”, disse o vereador Airton Saraiva.

2ª)

Destravando o jogo político tudo voltará a andar novamente. A Câmara que está sob a presidência do vereador Flávio Cesar voltará adquirir consistência jurídica e musculatura para recolocar Campo Grande nos trilhos. A edilidade é hoje a única capaz de devolver tranquilidade para uma Capital sem rumo.

3ª)

Funcionários da SOLURB estão em greve novamente. A coleta de lixo está parada. Eles estão sem receber e essa é a ‘terceira’ greve do setor que Bernal acaba de provocar com sua mania de guardar dinheiro em caixa e não pagar contas. Campo Grande sofre mais uma vez o duro revés sob estar numa administração sem gestão.

4ª)

Dois vereadores deverão disputar a presidência da Câmara: Flávio Cesar e João Rocha. Desse jogo inteligente deverá sair um consenso, porque os dois são amigos e os interesses de recolocar Campo Grande nos trilhos é hoje muito maior que qualquer disputa partidária.

5ª)

Com a sinalização do governador Reinaldo Azambuja que “Seu governo só investirá na Capital quando houver paz política”, ficou claro que enquanto essa situação de insegurança jurídica permanecer não haverá qualquer benevolência do Estado para com a Capital.

6ª)

O deputado Marquinhos Trad, que está de malas prontas para deixar o PMDB, tem mais uma opção para decidir por um novo partido. É o PSDB. Convites existem muitos, mas Marquinhos tem analisado com tranqüilidade qual o melhor rumo a ser tomado.

7ª)

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS), que participa todas as quintas do meu programa na DIFUSORA, disse que “Essa foi uma noite de cão em Brasília, onde praticamente ninguém dormiu”. O veto do TCU às contas da presidente Dilma na noite de ontem sobre as chamadas ‘pedaladas fiscais’ deixou a base governista com os nervos à ‘flor da pele’. Hoje estão sendo traçadas estratégias para que oportunistas não se enveredem pelo ‘impeachement’ à presidente. Há 79 anos uma conta presidencial não era vetada pelo órgão.

8ª)

A vinda a Campo Grande do ministro Ricardo Levandowski teria tido o objetivo de manter uma conversa ‘didática’ com nossos desembargadores para que se atenham à medidas técnicas e não políticas. Dizem que o ministro ficou bravo com o desprezo à ações já julgadas no STF e STJ, e teria dito aos desembargadores que “o erro cometido foi grave”.

9ª)

Paulo Pedra quer que o prefeito compre logo as 5 mil bicicletas que serão dadas gratuitamente aos alunos da REME, para que eles deixem de andar de ônibus. Pedra diz que “dinheiro tem”.

10ª)

O TJMS considerou ontem que a greve dos professores da REME foi ilegal, e autorizou o prefeito ‘de plantão’ descontar dos professores os dias parados. Cinquenta deles assistiram a decisão na tarde de ontem, e depois da derrota ainda tentaram fazer protesto, mas os seguranças do Tribunal botou os amotinados ‘pra fora’. Todos saíram ‘pianinho’, bem diferentes daqueles que iam à Câmara xingar o prefeito Gilmar Olarte de “caloteiro” apoiados pelo Paulo Pedra.

Amanhã eu volto.

Fuuuuuuuuuuuui.

Comentários

Comentários